Bem vindo!

Bem vindo!Esta página está sendo criada para retransmitir as muitas informações que ao longo de anos de pesquisas coletei nesta Mesorregião Campo da Vertentes, do centro-sul mineiro, sobretudo na Microrregião de São João del-Rei, minha terra natal, um polo cultural. A cultura popular será o guia deste blog, que não tem finalidades político-partidárias nem lucrativas. Eventualmente temas da história, ecologia e ferrovias serão abordados. Espero que seu conteúdo possa ser útil como documentário das tradições a quantos queiram beber desta fonte e sirva de homenagem e reconhecimento aos nossos mestres do saber, que com grande esforço conservam seus grupos folclóricos, parte significativa de nosso patrimônio imaterial. No rodapé da página inseri link's muito importantes cuja leitura recomendo como essencial: a SALVAGUARDA DO FOLCLORE (da Unesco) e a CARTA DO FOLCLORE BRASILEIRO (da Comissão Nacional de Folclore). Este dois documentos são relevantes orientadores da folclorística. O material de textos, fotos e áudio-visuais que compõe este blog pertencem ao meu acervo, salvo indicação contrária. Ao utilizá-lo para pesquisas, favor respeitar as fontes autorais.


ULISSES PASSARELLI




quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Referências Bibliográficas

Listagem de textos pesquisados 

ABREU, Martha. O Império do Divino: festas religiosas e culturas popular no Rio de Janeiro, 1830-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: FAPESP, 1999. Col. Histórias do Brasil.

ADÃO, Kleber do Sacramento. Devoções e diversões em São João del-Rei: um estudo da festa do Bom Jesus de Matosinhos, 1889-1924. Campinas: UNICAMP – Faculdade de Educação Física, 2001. Tese de Doutorado.

ALMEIDA, Manuel Antônio de. Memórias de um Sargento de Milícias. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1944.

ALVARENGA, Luís de Melo. Rápido Passeio pela Cidade Colonial Mineira de São João del-Rei. Belo Horizonte: Grafilivros, [s.d.].

ALVARENGA, Luís de Melo. São João del-Rei e seu fundador. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 4, 1986.

ANDRADE, Mário de. A Entrada dos Palmitos. Revista do Arquivo Municipal. São Paulo: Departamento de Cultura, 1937, n. 32.

ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional. São Paulo: Melhoramentos, 1964.

AULETE, Caldas. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. 3.ed. Rio de Janeiro: Delta, 1978.

BARBOSA, José Victor. S. João d’El-Rey atravez suas ephemerides. São João del-Rei: Casa Assis, 1930. 47 p.il.

BARREIROS, Eduardo Canabrava. As Vilas del-Rei e a Cidadania de Tiradentes. Rio de Janeiro: José Olympio / INL, 1976.

BRAGA, Rubem. A Festa das Canoas em Marataízes. Revista do Arquivo Municipal. São Paulo: Departamento de Cultura, 1940, n. 68.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Divino, o Santo e a Senhora. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1978.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Memórias do Sagrado. São Paulo: Paulinas, 1985.

BURTON,  Richard Francis. Viagens aos Planaltos do Brasil (1868) . 1º Tomo: do Rio de Janeiro a Morro Velho. Rio de Janeiro: Nacional, 1942. Coleção Brasiliana, série 5a, v. 197, p. 188.

CÂMARA, Altivo de Lemos Sette. Notas à margem da história antiga de São João del-Rei. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 2, 1974-5.

CAPRI, Roberto. Minas Gerais e seus municípios. São Paulo: Pocai Weiss, 1916. p. 10-11.

CARAMURU, Hugo. História da EFOM e sucessoras ... In: As Ferrovias em Minas Gerais. Belo Horizonte: SESC, 2003. 188 p.il.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, [s.d.].

CINTRA, Sebastião de Oliveira. Efemérides de São João del-Rei. 2. ed. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1982. 2 v.

CINTRA, Sebastião de Oliveira. Nomenclatura das Ruas de São João del-Rei. Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 6, 1988.

CINTRA, Sebastião de Oliveira. Festas de Matozinhos antigamente. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, v. 2, 1974-5, p. 8.

CÔRTES, J.C. Paixão. Folclore gaúcho: festas, bailes, música e religiosidade rural. Porto Alegre: CORAG, 1987.

COUTINHO, Varela. As Festas do Divino. Folha da noite, São Paulo, 12/09/1930. In: São Paulo dos nossos avós ...  Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, Departamento de Cultura, 1934, v. 2.

CRISTÓFARO, Paulo, PALHARES, Gentil. Roteiro Turístico: São João del-Rei no passado e no presente. São João del-Rei: Castelo, 1941.

CRISTÓFARO, Paulo, PALHARES, Gentil. De Thomé Portes a Tancredo Neves: roteiro turístico de São João del-Rei. Juiz de Fora: Lar Católico, 1963.

DAMANTE, Hélio. Folclore Brasileiro: São Paulo. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1980.   

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. São Paulo: Martins, 1972.

DUARTE, Maria da Glória de Freitas. Vila Velha de Outrora. Vitória, [s.n.], 1980.

EDMUNDO, Luís. O Rio de Janeiro do meu tempo. 2. ed. RJ: Conquista, 1957, v. 1, p. 178

FELIPE, Carlos. É  a festa para o Divino. Estado de Minas, 25/05/2000.

FELIPE, Carlos. Império: tradição mantida no Serro. Estado de Minas, 31/05/2001.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário da Língua Portuguesa.

FIGUEIREDO, Napoleão, SILVA, A. Vergolino e. Festa de Santo e Encantado. Belém: [s.n.], 1972.

FONTOURA, Sônia Maria, CELLURARE, Luiz Henrique, CANASSA, Flávio Arduini. Em Nome de Santos Reis: um estudo sobre Folias de Reis em Uberaba. Uberaba: Arquivo Público de Uberaba, 1997. v. 1.

FRADE, Cáscia. Folclore Brasileiro: Rio de Janeiro. RJ: MEC / FUNARTE / CDFB, 1979. p. 59

FRADE, Cáscia. Salve o Divino! In: PELLEGRINI FILHO, Américo. Antologia do Folclore Brasileiro. São Paulo: EDART, 1982.

GAIO SOBRINHO, Antônio. Sanjoanidades: um passeio histórico e turístico por São João del-Rei. São João del-Rei: A  Voz do Lenheiro, 1996.

GAIO SOBRINHO, Antônio. História do Comércio em São João del-Rei. São João del-Rei: Sindicato do Comércio Varejista, 1997.

GAIO SOBRINHO, Antônio. Visita à Colonial cidade de São João del-Rei. São João del-Rei: FUNREI, 2001.

GAIO SOBRINHO, Antônio. Bandas musicais em São João del-Rei e a Banda Teodoro de Faria. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, v. 10, 2002.

GAIO SOBRINHO, Antônio. Senhor Bom Jesus de Matosinhos. Tradição. São João del-Rei: Subcomissão Vertentes de Folclore, maio / 2000. n. 8. p. 4-5.

GAIO SOBRINHO, Antônio. Devoções Coloniais Mineiras a partir de São João del-Rei. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei.2000, v.9. p. 67-75.

GAIO SOBRINHO, Antônio. História da Educação em São João del-Rei. São João del-Rei: FUNREI, 2000.

GIOVANNINI JÚNIOR, Oswaldo. Registro do Folclore da Zona da Mata. Juiz de Fora: FUNALFA, 2001. (Folder)

GONÇALVES, Jandir, OLIVEIRA, Lenir. Os Foliões da Divindade no Cemitério dos Caldeirões. Boletim da Comissão Maranhense de Folclore, São Luís,  n. 12, dez. / 1998.

GUIMARÃES, Fábio Nelson. Ruas de São João del-Rei. São João del-Rei: FAPEC, 1994.

GUIMARÃES, Geraldo. São João del-Rei até a Guerra dos Emboabas. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 2, 1974/5.

GUIMARÃES, Geraldo. A Bandeira de Fernão Dias. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 3, 1985.

GUIMARÃES, Geraldo. O Caminho Novo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 4, 1986.

GUIMARÃES, Geraldo. O Capão da Traição. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 4, 1986.

GUIMARÃES, Geraldo. O Povoamento das Minas Gerais. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 5, 1987.

GUIMARÃES, Geraldo. Catauá. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 5, 1987.

GUIMARÃES, Geraldo. A Bacia do Rio das Mortes. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 6, 1988.

GUIMARÃES, Geraldo. Considerações sobre Ibituruna. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 8, 1995. 

HAUG, Martha Johanna. Folclore em Chapada dos Guimarães, MT. São Paulo: Escola de Folclore, 1982.

HENRIQUES, José Cláudio. O Bairro de Matosinhos na Inconfidência Mineira. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, v. 7, abr. / 1992, p. 110-113.

HENRIQUES, José Cláudio. A devoção ao Bom Jesus de Matosinhos. O Grande Matosinhos, São João del-Rei, n. 23, set. / 2001

HENRIQUES, José Cláudio. Bairro de Matosinhos: berço da cidade de São João del-Rei. São João del-Rei: UFSJ, 2003.

LACERDA, Augusto de Abreu. A Bacia do Rio das Mortes. Boletim.Commissão Geographica e Geologica, n. 3. [s.d.]

LACERDA, Regina. Folclore Brasileiro: Goiás. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1977.     
   
LAET, Carlos de. Informativo da Festa do Divino Espírito Santo, São João del-Rei, n. 1, ano 1, abril / 1998, p. 3.

LAGO, Isabel. Uma rota de fé: a devoção ao Bom Jesus de Matosinhos no Brasil. Matosinhos (Portugal): Câmara Municipal, 2003.

LAURENTIAUX, Daniel Francis. Folklore des Açores: festas em honra ao Divino Espírito Santo. Paris (França). Jun. / 1979. 2 v.

LEAL, João. As Festas do Espírito Santo nos Açores: um estudo de Antropologia Social. Lisboa: Dom Quixote, 1994. Col. Portugal de Perto, n. 29. 319 p.

LIMA JÚNIOR, Augusto de. Caminhos Antigos de Minas Gerais. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 8, 1995. 

LIMA, Rossini Tavares de. Folclore de São Paulo: melodia e ritmo. 2. ed. São Paulo: Ricordi, 1959.

LOBOSQUE, Osvaldo Santiago. Tese histórica sobre a fundação de S. João del-Rey por Thomé Portes del-Rey. São João del-Rei: A Voz do Lenheiro, 1984.

LUCCOCK, John. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1975.

MAIA, T. R. de Camargo. Paraty: religião e folclore. 2. ed. Rio de Janeiro: Arte & Cultura, 1976.

MALTA, Adherbal. A Região de São João del-Rei. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 4, 1986.

MARQUES, Lilian Argentina Braga et all. Rio Grande do Sul: aspectos do folclore. 3. ed. Porto Alegre: Martins, 1995.

MARTINS, Saul [Alves]. Os Barranqueiros. Belo Horizonte: Centro de Estudos Mineiros, 1969.

MARTINS, Saul [Alves]. Folclore Brasileiro: Minas Gerais. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1981.

MELCHIORS, Yone Soneghet. Aspectos do Folclore Vianense. Vitória: Escola Técnica Federal, 1962.

MENDES, Hélder Fonseca. Festas do Espírito Santo nos Açores: proposta para uma leitura teológico-pastoral. Angra do Heroísmo: Inst. Açoriano de Cultura/Santa Casa da Misericórdia, 2001.

MENDONÇA, Rubens de. Roteiro histórico & sentimental da Vila Real do Bom Jesus de Cuiabá. 3. ed. Cuiabá: Igrejinha, 1977.

MESQUITA, Antônio Carlos, Dom, SANTOS, Lauro Lino dos. Diocese de São João del-Rei: 30 anos de caminhada. Juiz de Fora: Esdeva, 1990.

MORAIS FILHO, [Alexandre José de] Melo. Festas e Tradições Populares do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: USP.

MOURA, Antônio de Paiva. Festa do Divino em Diamantina. Boletim da Comissão Mineira de Folclore. Belo Horizonte, dez. / 1992. n. 15.

MOTA, Valdemar. Histórias e tradições dos Açores. Angra do Heroísmo (Arquipélago dos Açores): Instituto Açoriano de Cultura, 1986. p .69-71.

NEVES, Gulherme Santos. Festa das Canoas, Folia do Divino e o Rosário de Maria. Folclore. Vitória: Comissão Espírito-santense de Folclore, 1953-4, n. 4.

NEVES, Guilherme Santos. Folclore Brasileiro: Espírito Santo. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1978.           

NEVES, Maria Agripina. Folia do Divino de São Bartolomeu. Revista da Comissão Mineira de Folclore, Belo Horizonte, ag. / 1998, n. 19.

OLIVEIRA, Estevam de. Chronicas e traducções. Juiz de Fora: [s.n], 1907.

OLIVEIRA, Manuel Antônio de. A Festa do Divino na Barra de São Mateus. Folclore. Vitória: Comissão Espírito Santense de Folclore, 1949-50, n. 2-3.

OLIVEIRA, Noé Mendes de. Folclore Brasileiro: Piauí. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1977.       

OLIVEIRA, Vanessa de. Festa do Divino em Diamantina. Estado de Minas, 31/05/2001.

ORTIZ, José Bernardo. São Francisco das Chagas de Taubaté. Taubaté: Prefeitura Municipal, 2003. v.2

PACHECO, Renato José Costa. Marataízes, os Maratimbas e a Festa das Canoas. Folclore: Vitória: Comissão Espírito-santense de Folclore, 1966. n. 16.

PAULA, Hermes de. Montes Claros: sua história, sua gente e seus costumes. Rio de Janeiro: [s.n.], 1957.

PAULA, Zuleika de. Festa de Anhembi: Encontro e Amortalhados. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 1978. Coleção Folclore, n. 15.

PEIXOTO, Mariana. Tradição na cultura da fé: festas de setembro, em Jaboticatubas, mantém costumes populares. Estado de Minas, 09/09/2000.

PELLEGRINI FILHO, Américo. Folclore Paulista: calendário & documentário. 2. ed. São Paulo: Cortez / Secretaria de Cultura, 1985.

PEREIRA, Niomar de Souza. Cavalhadas no Brasil. São Paulo: Escola de Folclore, 1984.

PEREIRA, Niomar de Souza, JARDIM, Mára Públio de Souza Veiga. Uma Festa Religiosa Brasileira: Festa do Divino em Goiás e Pirenópolis. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 1978.

PEREIRA, Nunes. O Sairé e o Marabaixo. [s.l.; s.n.]. 1951.

POEL, Francisco van der, Frei. Deus vos salve, Casa Santa!: pesquisa de folc-música religiosa. São Paulo: Paulinas, 1977.

POHL, Johann Emmanuel. Viagem no interior do Brasil empreendida nos anos de 1817-1821. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976.

QUERINO, Manuel. A Bahia de outrora. Salvador: Progresso, 1955.

RIBEIRO, Maria de Lurdes Borges Ribeiro. A Festa do Divino em Lagoinha, SP. Revista Brasileira de Folclore. Rio de Janeiro: CDFB,  jan./ dez. 1964. n. 8-10.

RODERJAN, Rosely Vellozo. Folclore Brasileiro: Paraná. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1981.

RODRIGUES, Anna Augusta. Cantigas de Reis e outros Cantares. Rio de Janeiro: SEEC / Instituto Estadual do Livro, 1979.

RODRIGUES, José Antônio. Apontamentos da população, topografia e notícias cronológicas do município de São João del-Rei, província de Minas Gerais. São João del-Rei: J. A. Kedagdes, 1859.

RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem Pitoresca através do Brasil. 8.ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: USP, 1979. p. 68.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelo Distrito dos Diamantes e Litoral do Brasil. Rio de Janeiro: Nacional, l94l. p. 201-2.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagens às Nascentes do Rio São Francisco e pela Província de Goiás (1819-1822). Rio de Janeiro: Nacional, 1944.

SANT’ANNA, Terezinha Azis Alexandre. Viçosa: meu município. Viçosa: Universitária, 1984.

SANTOS, José Bellini dos. São João d’El-Rey: a cidade que não olhou para traz. São João del-Rei: [s.n.], 1957.

SENNA, Nelson de. Chorographia Mineira: municipio de S.João d’El-Rey. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, Imprensa Oficial, v. 1-2, ano 10, 1905, p. 11.

SENNA, Nelson de. Anuário Histórico Cronográfico de Minas Gerais, ano 3, 1909.

SOARES,  Doralécio. Folclore Brasileiro: Santa Catarina. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1979.

SOUZA, Corintho de. A Festa do Divino. Revista do Ateneu Angrense de Letras e Artes. Angra dos Reis,  set. / 1984, n. 3.

TEIXEIRA, A. Hermano. Folia do Divino em Natividade de Goiás. Revista Brasileira de Folclore. Rio de Janeiro: CDFB, 1974, n. 39.

TEIXEIRA, José do Nascimento. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, n. 12, 2007.

TRINDADE, Raymundo, Cônego. Arquidiocese de Mariana: subsídios para a sua história. 2.ed. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1952. v. 1. p. 189-190.

VALE, Dario Cardoso. Memória Histórica de Prados. Belo Horizonte: [s.n.], 1985.

VIANNA, Hildegardes. Folclore Brasileiro: Bahia. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1981.   

VIEGAS, Aluísio José. Música em São João del-Rei – de 1717 a 1900. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, v. 5, 1987.

VIEGAS, Augusto. Notícia de São João del-Rei. 2.ed. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1953. p. 220.

VIEIRA FILHO, Domingos. Folclore Brasileiro: Maranhão. Rio de Janeiro: MEC / FUNARTE / INF, 1977.

WALSH, Robert. Notícias do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1985. 

* * *

ATLAS DE FESTAS POPULARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Belo Horizonte: IGA, 1998.

FESTA do Divino: tradição é mantida em Paraty. Estado de Minas, 21/05/1998.

FESTA do Divino: culto à fartura. Estado de Minas, 23/05/1999.

GRUPOS peditórios folia do Divino. Folclore. Guarujá: Centro de Folclore do Litoral Paulista. Ag. / 1976.

GRANDE ENCICLOPÉDIA DELTA LAROUSSE. Rio de Janeiro: Delta, 1979.

INFORMATIVO DA FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO, São João del-Rei, n. 4, ano 4, maio/ 200l.

JORNAIS diversos de São João del-Rei (indicados nas notas de rodapé).

MANIFESTAÇÕES FOLCLÓRICAS NO MUNICÍPIO DE NOVA LIMA. Nova Lima: PM; Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1986.

MAPA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL-REI. Belo Horizonte: IGA, 1986.

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA CRUZ DE MINAS. Administração 2001/2004. [Ex.digitado].

RELATÓRIO dos Estudos feitos na Várzea do Marçal pelo Engenheiro Civil José de Carvalho Almeida – 1893 (ex. da Biblioteca Municipal Baptista Caetano de Almeida).

REVISTA COFI (Correio Filatélico). ECT. Maio/ jun. 1999, n. 178, ano 23.


Posfácio



Após quinze anos de pesquisas sobre a Festa do Divino no Bairro de Matosinhos, ficou-me claro o êxito alcançado por aqueles pioneiros, os que prosseguiram e os que saíram, corroborados mais tarde por tantos que se tornaram festeiros ao longo desse período. O projeto inicial previa dez anos para completar o processo. Contudo, o previsto aconteceu antes da metade desse tempo. O restante do prazo foi trabalho de consolidação, para o qual contribuíram de forma indelével os voluntários e fiéis isolados (muitas vezes de outros bairros). Foi fundamental o apoio dos patrocinadores. Também não haveria êxito sem a ajuda de tantos setores da paróquia, das comunidades do grande bairro, dos grupos folclóricos e demais integrantes, tudo e todos em trabalho conjunto e obviamente do próprio pároco Pe. José Raimundo, raiz dessa experiência, antes mesmo da formação da comissão. 

É mister registrar outrossim o apoio da Prefeitura Municipal. Por outro lado o apoio dos órgãos envolvidos com a cultura ficou aquém das reais necessidades para um evento pujante, com força cultural de uma tal magnitude. Mas a festa é maior que essas dificuldades e prossegue. 

Ano a ano ela chama a atenção sobre si pelo imenso poder de agregar atrações as mais diversas, sob a força de um ideal, sob uma luz inefável que irradia do Poder Divino, que sem dúvidas é o que move cada fiel a participar, cada imperador a aceitar a responsabilidade da coroação, cada festeiro a trabalhar pela festa, cada dançante a exprimir sua fé com alegria, cada sacerdote a guiar seu rebanho nesta circunstância.
Nas entrelinhas da estrutura festiva é também possível averiguar, com imparcialidade, que não há mais margem para um crescimento acentuado, a não ser que uma mudança ousada e isenta de sentimentalismo seja feita na programação, para ganhar tempo nos eventos e entremeios, além de facilitar a organização de certos momentos cruciais, sem descaracterizar o núcleo temático da festa ou a sua identidade atual. Isto começou a se esboçar após 2010.
Houve uma desvirtuação (ao menos no plano teórico) do ideal do resgate histórico, quando ao longo do tempo foi dado aos congados e à missa inculturada uma relevância muito superior às demais partes da festa. É fato inquestionável a desigualdade das folias frente aos congados.
Showsfinais de grande porte deixaram margem à reflexão sobre sua validade de ordem prática, pelo pequeno retorno esperado de conteúdos simbólicos à festa, versus custos, infra-estrutura, dificuldades organizacionais, necessidades midiáticas e de segurança. A festa de 2009 apontou uma melhoria deste quadro.
A presença recente no meio do cortejo imperial de grupos para-folclóricos de percussão, entremeados aos congados não é aconselhável, como sempre frisam os folcloristas em semelhante prática. O para-folclore deve ter espaço e tempo próprios posto ser uma projeção estética da tradição popular, distinta da manifestação de raiz.
         As mudanças nos rituais da coroação nas últimas festas deram-lhe maior vivacidade, mas devem ser vistas com ressalvas para que no futuro não se tornem desenfreadas, por demais teatralizadas. Em vista disto em 2009 houve uma mudança positiva.
O espírito de fraternidade deve ser continuamente trabalhado, sem jamais perder de vista os ensinamentos religiosos à luz do Divino, para que o desejo do belo, do organizado não sobrepuje o lado religioso e o espírito de irmandade. Enfim é de se esperar que a festa não se torne um carnaval da fé. Essa a razão das observações aqui feitas.
A existência com êxito de uma festa deste porte, irrompida de longa letargia, demonstra a força da fé e do trabalho da gente brasileira, mineira, são-joanense, matosinhense. O jubileu, a persistir pelo menos assim como o vemos hoje, será sempre uma fonte inesgotável para evangelização e uma ferramenta educacional.
A Festa do Divino é mais um reflexo do nosso barroquismo, entendido em seu contexto mais amplo. É um raio de efusão do saber popular, harmonizado a uma fé motriz. É a coroação dos esforços conjugados, de fiéis e Igreja, como um só ser. O fiel é o ar, a Igreja é o pulmão. Esta é a unidade que o Espírito Santo traz.

Entrada do Cortejo, puxada pela Bandeira dos Imperadores,
ao centro. Jubileu do Divino, Santuário do Sr.Bom Jesus de Matosinhos,
São João del-Rei/MG.

* Texto: Ulisses Passarelli, 14/06/2010
** Foto: Iago C.S. Passarelli, 19/05/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário