Bem vindo!

Bem vindo!Esta página está sendo criada para retransmitir as muitas informações que ao longo de anos de pesquisas coletei nesta Mesorregião Campo da Vertentes, do centro-sul mineiro, sobretudo na Microrregião de São João del-Rei, minha terra natal, um polo cultural. A cultura popular será o guia deste blog, que não tem finalidades político-partidárias nem lucrativas. Eventualmente temas da história, ecologia e ferrovias serão abordados. Espero que seu conteúdo possa ser útil como documentário das tradições a quantos queiram beber desta fonte e sirva de homenagem e reconhecimento aos nossos mestres do saber, que com grande esforço conservam seus grupos folclóricos, parte significativa de nosso patrimônio imaterial. No rodapé da página inseri link's muito importantes cuja leitura recomendo como essencial: a SALVAGUARDA DO FOLCLORE (da Unesco) e a CARTA DO FOLCLORE BRASILEIRO (da Comissão Nacional de Folclore). Este dois documentos são relevantes orientadores da folclorística. O material de textos, fotos e áudio-visuais que compõe este blog pertencem ao meu acervo, salvo indicação contrária. Ao utilizá-lo para pesquisas, favor respeitar as fontes autorais.


ULISSES PASSARELLI




quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Engenhos & engenhocas

Desde remota data, o homem dos meios rurais aprendeu a fazer objetos destinados a auxiliar sua labuta, tais como ferramentas, utensílios e engenhos. Não se trata de peças industrializadas mas de fabricação artesanal, em argila, madeira e metal, algumas seguindo a modelos vindos do velho mundo, adaptados à realidade de nosso país. Em outros casos é criação nossa. 

A ergologia é uma parte da etnologia que se destina ao estudo das condições de trabalho em todas as suas dimensões ou perspectivas mas ora para este texto, perpassarei com brevidade os meios materiais de produção.

Por todo o Brasil e não é diferente por aqui, o produtor rural se vale de pilões, monjolos, carros de boi, moendas, fornos, balaios, arados artesanais e tantos outros objetos que se destinam a viabilizar o serviço diário ou a sua pequena indústria caseira. Na produção da rapadura, do sabão de bola, do azeite de mamona, da farinha, do polvilho, de biscoitos, no preparo da terra, no transporte... surgem as peças de aparência rudimentar mas de grande criatividade e funcionalidade, cujo saber fazer e o modo de usar é transmitido de geração a geração, informalmente, num meio de existência legitimamente folclórico. Ainda usamos a palavra "engenhosidade" para indicar algo bem elaborado. 

Hoje a modernização avança por todo o país e a mecanização do campo tem trazido novas perspectivas de trabalho. Então na maioria das vezes estas peças ficam abandonadas num canto da fazenda até a total destruição por ocaso ou são vendidas à cidade, para antiquários e lojas de artesanato, onde o freguês a adquire para servir de decoração. Em contraposição ao progresso tem então a propriedade de revivescer a imagem do ruralismo incipiente em nós, evocando em sua silhueta o cheiro do campo, em sua figura tosca o valor da terra e em sua simplicidade a memória camponesa. 

Carriola. Bairro Córrego, Santa Cruz de Minas / MG, 2000. 
Engenhoca de moer cana de açúcar, modelo "quebra-peito", Içara (São Tiago / MG), 2001.

Forno de assar quitandas, Canela (São João del-Rei / MG), 2010.
A cruz riscada sobre a boca do forno garante na base da fé que as quitandas não desandem. 
Cocho para tratar de animais, Brumado de Cima (São João del-Rei / MG), 2009.
Moinho de fubá ("munho"), Brumado de Baixo (São João del-Rei / MG), 2009.
Engenhoca de trançar corda, São João del-Rei, peça de ornamentação, 2013. 

* Texto e fotos: Ulisses Passarelli.

Nenhum comentário:

Postar um comentário