Bem vindo!

Bem vindo!Esta página está sendo criada para retransmitir as muitas informações que ao longo de anos de pesquisas coletei nesta Mesorregião Campo da Vertentes, do centro-sul mineiro, sobretudo na Microrregião de São João del-Rei, minha terra natal, um polo cultural. A cultura popular será o guia deste blog, que não tem finalidades político-partidárias nem lucrativas. Eventualmente temas da história, ecologia e ferrovias serão abordados. Espero que seu conteúdo possa ser útil como documentário das tradições a quantos queiram beber desta fonte e sirva de homenagem e reconhecimento aos nossos mestres do saber, que com grande esforço conservam seus grupos folclóricos, parte significativa de nosso patrimônio imaterial. No rodapé da página inseri link's muito importantes cuja leitura recomendo como essencial: a SALVAGUARDA DO FOLCLORE (da Unesco) e a CARTA DO FOLCLORE BRASILEIRO (da Comissão Nacional de Folclore). Este dois documentos são relevantes orientadores da folclorística. O material de textos, fotos e áudio-visuais que compõe este blog pertencem ao meu acervo, salvo indicação contrária. Ao utilizá-lo para pesquisas, favor respeitar as fontes autorais.


ULISSES PASSARELLI




quinta-feira, 11 de julho de 2013

Uma lenda religiosa: a lagoa amaldiçoada

Baile na Semana Santa

Todo mundo sabe que é falta de respeito muito grande fazer festa na quaresma, quem dirá na Semana Santa, que exige total recolhimento. Há de se fazer abstinência de sexo, jejum de carne, bebida alcoólica e cantoria. Dança... nem pensar! Não se deve xingar, falar palavrões. Ai de quem bater um prego num pau qualquer no dia da Paixão! No Caburu (atual São Gonçalo do Amarante, distrito de São João del-Rei) ouvia dizer que se a criança fizesse arte nesse dia não podia ser repreendida. Só no dia seguinte, ao romper d’Aleluia. Não se varre uma casa nesse período. Não. Não se varre.

Canto, só o da piedade religiosa: benditos, motetos, encomendações de almas, matinas, laudes, vias-sacras...

Pois é. Foi então que a muitos anos, lá naquela roça brava, meio de mundo perdido nos ermos do sertão, um fazendeiro descrente de tudo, isento de fé e respeito, zombeteiro feito ele só, desacreditava todos os tabus quaresmais. Ria dos fiéis. "Isso tudo é bobagem, gente!", dizia.

E pra provar que tanto cuidado não importava em nada, idealizou um bailão na sua fazenda em plena Semana Santa.

Pagou uns músicos que fizeram dificuldade pela data mas acabaram por se render ao dinheiro e saiu por aí afora convidando compadres, vizinhos, parentes e amigos. Uns se persignaram ante o convite – “cruiz-credo! Ond’é que já se viu... É o fim do mundo, sô!”. Outros, sendo da sua laia acharam boa a idéia. Outros mais se fazendo de beatos negaram a princípio mas na hora que o fole gemeu, estavam lá dançando ao ritmo da sanfona.

O baile fervia. O salão estava cheio.  Uns bebiam, outros namoravam. Riso, dança e farra é só o que se via. Alegria sem fim. Nada que fizesse cismar. Nenhum sinal d’outro mundo. Nem o pio lúgubre d'um corujão. Seria mentira enfim tudo que se dizia sobre os assombros daquele tempo?

Meia noite. Hora mágica. Os ponteiros alinharam no doze. O pêndulo do velho carrilhão do canto da sala, herança avoenga, prateava no brilho da luz tênue dos candeeiros.  Pelo compasso da décima segunda badalada a terra tremeu, estremeceu, retumbou: acordou, abriu-se, engoliu toda a fazenda. Um terremoto rachou o chão e nada nem nenhum daqueles pecadores se salvou. Afundou tudo sem deixar rastro e na imensa cratera brotou água, formou grande lagoa, sem fundo, que marca o lugar do aviso celeste. Com Deus não se brinca. 


Reza de saída de uma via-sacra,
São Gonçalo do Amarante (São João del-Rei/MG), 2009.



Notas e Créditos

* Informante: Aluísio dos Santos, Centro, São João del-Rei/MG, 1992.
** Texto e fotografia: Ulisses Passarelli
*** Obs.: anos mais tarde ouvi a mesma narrativa de outro informante que me dizia que o fato teria acontecido em Resende Costa e a que a tal fazenda pertencia a uma viúva que gostava de promover bailes. Qualquer um que caia ou entre nessa lagoa submerge e desaparece, pois a maldição persiste. Ainda outra versão coligida no distrito são-joanense de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno detalha que a viúva e a filha se salvaram porque tinham um bentinho no pescoço. A tragédia das águas foi antecedida pela aparição do próprio demônio, travestido sob a clássica forma de um belo rapaz dançarino, irresistível às moças... Nesta versão, não se menciona que a lagoa ainda traga os incautos, mas é possível ouvir os gritos das almas próximo ao centro das águas. 

Um comentário: