Bem vindo!

Bem vindo!Esta página está sendo criada para retransmitir as muitas informações que ao longo de anos de pesquisas coletei nesta Mesorregião Campo da Vertentes, do centro-sul mineiro, sobretudo na Microrregião de São João del-Rei, minha terra natal, um polo cultural. A cultura popular será o guia deste blog, que não tem finalidades político-partidárias nem lucrativas. Eventualmente temas da história, ecologia e ferrovias serão abordados. Espero que seu conteúdo possa ser útil como documentário das tradições a quantos queiram beber desta fonte e sirva de homenagem e reconhecimento aos nossos mestres do saber, que com grande esforço conservam seus grupos folclóricos, parte significativa de nosso patrimônio imaterial. No rodapé da página inseri link's muito importantes cuja leitura recomendo como essencial: a SALVAGUARDA DO FOLCLORE (da Unesco) e a CARTA DO FOLCLORE BRASILEIRO (da Comissão Nacional de Folclore). Este dois documentos são relevantes orientadores da folclorística. O material de textos, fotos e áudio-visuais que compõe este blog pertencem ao meu acervo, salvo indicação contrária. Ao utilizá-lo para pesquisas, favor respeitar as fontes autorais.


ULISSES PASSARELLI




quinta-feira, 25 de junho de 2015

Roda, morena!

Uma antiga tradição nesses dias frios de junho era a dança em redor das fogueiras dedicadas aos santos desse mês: Santo Antônio, São João Batista e São Pedro, em festas de intenso valor comunitário e de forte apelo rural. A confraternização se fazia por gestos simples de alegria espontânea e através das danças, das quais a quadrilha se tornou a soberana. 

Mas além desta outras existiram pelos povoados semeados entre as serras do interior. Algumas, de herança cultural africana, como os batuques, caxambus, quimbetes e lundus; outras, evocando movimentos ibéricos, como o desaparecido esquinado, o engenho-novo, a cana-verde e a roda-morena (também chamada rodinha e roda de São João). 

Sobre esta última em especial acontecia sem época certa para ser efetuada, conquanto fosse comum nas festas juninas. Nesta dança rural os dançantes, sem distinção de sexo ou idade, formavam um círculo e dançavam, com um personagem solista ao centro, que cantava uma quadra dentro do ritmo certo. Os demais respondiam com o refrão. Voltava à roda e outro vinha ao centro, cantando outra quadra. O coro repetia o refrão e assim por diante. 

A título de exemplo eis uma roda procedente de Coronel Xavier Chaves (*):

Refrão (coro): 
"Roda, Morena! 
Morena, roda!” - bis

Estrofes (solista): 
“Eu vim de longe, 
tô chegando agora, 
eu vim com Deus 
e Nossa Senhora!” 

ou 

“Você disse que vai, 
eu também quero ir; 
você não vai mais 
também já decidi ...” 

Mas além da dança, sob o mesmo nome foi conhecida uma modalidade de canto de trabalho adotado nos mutirões e nos serviços pagos de roçar pasto. Os trabalhadores mais rápidos ficavam nos extremos do eito e os menos habilidosos ao centro. Na medida que o eito avançava, os da beirada iam adiantando mais com os golpes da foice fechando gradativamente um semi-círculo. Uma vez formado, trabalhavam no sentido de desfazê-lo e assim caminhava o eito. Numa versão de Antônio Carlos, cantavam (**): 

Refrão (coro): 
“Roda morena! 
Roda morena! 
Você vai, não me leva, 
oi, morena!...” . 

Estrofes (solista): 
“Eu desci pra rua abaixo 
num cavalo marchadô, 
uma moça na janela 
banô lenço e me chamô...” (abanou lenço)

“Moça tu não me conhece, 
não sabe da onde eu sô, 
da macega eu faço a cama, 
do sereno o cobertô...” 

“Eu sou o cravo da índia, 
que o destino estraçaiô! 
Abrandai meu coração 
que a saudade me deixô...” 

“Querido cravo da Índia, 
que o destino estraçaiô, 
se o cavalo der garupa, 
me leva, qu’eu também vô!”


Notas e Créditos

* Informante: Sr. Luís Santana, 1996. 
** Informantes: Sr. José Cândido de Salles e Sra. Elvira Andrade de Salles, 1999. 
*** Texto: Ulisses Passarelli

Nenhum comentário:

Postar um comentário